‘Fátima’, um filme com “toda a história” das aparições de 1017, na Cova da Iria

Ana Leal, da Cinemundo, disse à Agência ECCLESIA que ‘Fátima’ é um filme com “toda a história” das aparições de 1017, na Cova da Iria, que teve o acompanhamento do santuário nacional, procurando chegar a todos, especialmente os mais novos.

“É uma forma de chegarmos aos jovens e perceberem o mistério de fé que está por trás. Acreditamos que ajuda a elucidar quem esteja menos esclarecido”, refere.

“Consegue-se perceber que na fé há sacrifício, as coisas não surgem por acaso e acredito que seja um grande meio de evangelização porque é de uma forma muito simples que é transmitida a mensagem e todo o conteúdo o filme”, acrescenta.

Para a entrevistada, os jovens “ficam esclarecidos” porque é que tantos crentes vão a Fátima, e se tiverem “algumas dúvidas” o filme vai ajudar a esclarecer, e quem não é crente “fica com uma informação histórica”.

A Cinemundo acompanhou as filmagens da obra rodada em várias cidades portuguesas, com a preocupação de ir buscar todo o “aspeto histórico e toda a envolvente” de época.

O filme, do realizador Marco Pontecorvo que estreou nos cinemas nacionais no dia 7 de outubro, envolveu 2500 figurantes e 72 atores como os portugueses Lúcia Moniz, Marco d’Almeida e Joaquim de Almeida, a brasileira Sônia Braga, o norte-americano Harvey Keitel e o croata Goran Visnjic.

“É uma oportunidade única juntarmos um acontecimento histórico em Portugal e conseguir levar este acontecimento a todo o mundo por essa transversalidade dos atores serem nacionais e internacionais, e com o belíssimo elenco que tem”, realçou a entrevistada do Programa ECCLESIA, transmitido hoje na RTP2.

A banda sonora ‘Gratia Plena’ é da autoria do compositor Paulo Buonvino com interpretação do tenor Andrea Bocelli.

A antestreia nacional decorreu a 5 de outubro, no Centro Pastoral de Paulo VI, em Fátima, onde o reitor do Santuário destacou a “beleza das opções estéticas” e sublinhou a forma “digna e íntegra” como a obra aborda as Aparições de 1917.

O padre Carlos Cabecinhas realça que o realizador “põem em relevo, de forma digna e íntegra, o comportamento de todos quantos se confrontaram com o acontecimento de Fátima”.

“O Santuário congratula-se com todas as iniciativas e projetos independentes que veem na história e na mensagem de Fátima lugar de criação artística”, assinalou o sacerdote, em declarações divulgadas pelo Santuário.

Em declarações à comunicação social, o cardeal D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima considera que esta produção “corresponde ao fundamental da história de Fátima”.

“Mostra ambas as posições, os que aceitam na fé, e naturalmente aqueles que se opõem”, explica o prelado, salientando ainda “a imagem espetacular”, por isso “considero este filme muito bom, digno de ser visto numa sala de cinema”.

Artículo Anterior Artículo Siguiente
"rbtribuna") Por el final de las absurdas fronteras (políticas, sociales, burocráticas, económicas...) que aún subsisten entre España (singularmente Galicia) y Portugal...y que tanto perjudican a la ciudadanía ibérica