S.C. Braga) El "caso Vitinha", analizado a fondo por el profesor Costa

Foto : S. C. Braga


Nuestro querido amigo y colaborador de la RBTRIBUNA, el profesor António Costa, ha escrito este fin de semana, en la publicación especializada ZeroZero, un interesante artículo titulado "Os dias felizes de Vitinha" que, con la debida venia, ahora reproducimos para nuestros lectores :


Por António Costa

Os dias felizes de Vitinha

A atualidade em Braga sublinha, a título particular, os dias felizes de Vitinha. O jogador que um dia abandonou Cabeceiras de Basto para rumar a Braga, numa viagem relativamente curta, está envolto num turbilhão de emoções, por tudo o que lhe tem acontecido ultimamente.

O jovem cabeceirense tem dado motivos àquela localidade para torcer pelo SC Braga, onde a tradição braguista vem de longa data em muita gente, felizmente. Esta época, o jovem avançado estreou-se a marcar na Taça de Portugal, em dose dupla, frente ao Moitense, onde esteve em campo apenas meia hora. Tempo ao qual juntando os primeiros dezasseis minutos da partida diante do Santa Clara, onde marcou três golos, dá uns impressionantes cinco golos obtidos num total parcial de quarenta e seis minutos. Neste contexto, Vitinha precisou, em média, de um intervalo de nove minutos entre cada um dos primeiros cinco golos da competição. Mas, revelando uma vontade indomável de quem luta por cada lance como se fosse o último, o atleta do momento em Braga marcaria ainda o quarto golo no dealbar da segunda parte, chegando à meia dúzia de tentos, no total de cento e dois minutos de jogo na Taça de Portugal, onde é, por agora, o melhor marcador.

O poker e o trabalho realizado tornaram esta noite inesquecível para o jovem Vitinha, que merecia um estádio cheio que o ovacionasse pela sua soberba exibição, até ao momento em que se despediu do retângulo de jogo e da bola que tanta felicidade lhe deu, a ponto de a ter levado para casa onde irá permanecer por muitos anos de modo a lembrar esta noite mágica, que quem esteve na Pedreira teve o privilégio de assistir. O jovem jogador também merecia uma imprensa melhor e mais isenta, que desse o devido destaque ao que aconteceu na noite da véspera em Braga, em vez de valorizar algumas futilidades apenas a troco de interesses meramente financeiros e comerciais. De vez em quando poderiam os jornais desportivos portugueses mostrar alguma decência e destacar o que realmente merece destaque, pois nem quero imaginar se tudo isto tivesse acontecido a um miúdo da formação de um dos três clubes do sistema. Enfim, talvez seja pedir muito neste país repleto de vícios e de brandos costumes, que come tudo o que se lhes oferece, o que merece o meu lamento e a minha reprovação.

Carlos Carvalhal, o técnico que lançou Vitinha, em detrimento dos consagrados jogadores espanhóis Abel Ruiz e Mario González, disse há algum tempo que o mundo do futebol se iria surpreender com o desempenho deste jovem, mas não vaticinaria, por certo, que isso acontecesse tão rapidamente. Recordo que este jogador já deu um triunfo importante em Barcelos, pelo meio deste percurso notável que fez até ao momento na Taça de Portugal.

Vitinha estreou-se pela seleção de sub-21 de Portugal, na mesma semana em que conseguiu este feito notável de marcar quatro golos num só jogo, pelo que vive verdadeiros momentos de felicidade, mas que importa enquadrar devidamente, dado que no futebol, como na vida, tudo pode mudar rapidamente, mas creio que ele tem o apoio necessário por parte do clube que serve com tanto orgulho, bem estampado na forma sorridente de quem veio de um mundo humilde e trabalha muito para poder ser feliz.

Para a história desta noite memorável, fica uma vitória por 6x0, frente ao Santa Clara, que permite ao SC Braga continuar a defesa do título que tão justamente conquistou na época passada, num jogo em que o nome maior foi o de Vitinha, algo que merece um consenso geral.

Artículo Anterior Artículo Siguiente
"rbtribuna") Por el final de las absurdas fronteras (políticas, sociales, burocráticas, económicas...) que aún subsisten entre España (singularmente Galicia) y Portugal...y que tanto perjudican a la ciudadanía ibérica