Nueva línea ferroviaria Porto-Vigo) Director de la AECT Río Minho sobre hipotético atraso : ¡cuidado con lo que hacéis!


Rui Teixeira es un socialista que
-tras los últimos comicios que le llevaron a presidir la Câmara de Vila Nova de Cerveira- dirige también la AECT Río Minho. 

Teixeira, que no es tonto, ha olfateado el ambiente en Portugal en materia de inversiones en infraestructuras ferroviarias y... ha detectado -como no pocos observadores- que vuelve a haber una sensación de retrasos en el desarrollo de los planes trazados en diferentes asuntos, lo que le llena de preocupación porque sabe que retrasos en la tan necesaria y urgente nueva conexión entre Porto y Vigo (con la pretendida construcción de nueva vía entra Braga y Valença y nuevo enlace-salida Sur entre Vigo y O Porriño), teniendo en cuenta la complejidad y duración de las obras a realizar, pueden ser todo un lastre enorme y de muy graves consecuencias para el desarrollo económico de la zona transfronteriza y la Eurorregión Galicia-Norte de Portugal. Como por parte española, el Adif y el Ministerio, para hacer la parte que les toca, cabalgan subidos en el caballo del malo por lo que se observa, entonces la preocupación ya es doble...

O diretor do AECT Rio Minho afirmou  que "o atraso na ligação da ferrovia da alta velocidade de Portugal à rede espanhola é tempo sem retorno” e apontou o troço Porto/Vigo a construir como o “mais importante”. “Portugal tem de entender o vosso trabalho aqui na ferrovia e na alta velocidade como uma última oportunidade. Não pode ser uma espécie de jangada de pedra. Todo o tempo que venha a perder-se na ligação da ferrovia portuguesa em alta velocidade à rede espanhola é um tempo sem retorno. Este é um tempo decisivo”, afirmou Rui Teixeira, citado numa nota enviada à imprensa referente à sua intervenção num encontro ferroviario em Ourense, Galiza.

O responsável do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho apontou a ligação internacional entre as cidades do Porto e Vigo como "a mais importante entre Portugal e Espanha, em termos de volume de tráfego, superando mesmo a ligação Lisboa-Madrid”. 
Rui Teixeira, que é também presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveiradisse ser “incompreensível que algumas etapas de ferrovia portuguesa ainda estejam pendentes em 2022”.

“As ligações entre Portugal e Espanha, mais concretamente entre Portugal e a Galiza, são vitais e nunca suficientes. A alta velocidade é importantíssima para atrair turismo, garantir competitividade da economia e melhorar decisivamente a qualidade de vida e a mobilidade dos cidadãos”, assegurou durante o fórum “Ave Madrid – Ourense: Um caminho para a Galiza: desafios e oportunidades",  realizado na Expourense.
Rui Teixeira foi o “único” português convidado a abordar a “incontestável” importância da ligação ferroviária entre Portugal e Espanha, e “partilhar” a experiência do território transfronteiriço Norte de Portugal-Galiza, destacando que tem sido “adiada sucessivamente a necessidade de regionalizar Portugal, o que desembocou numa macrocefalia asfixiante”. “Esta macrocefalia culmina na ausência de investimentos fora da capital, por exemplo, no quase eterno adiamento das linhas de alta velocidade”, afirmou Teixeira como refere a nota enviada pela Câmara de Vila Nova de Cerveira.

Durante a sua intervenção, na presença do presidente da Xunta de Galiza, Alberto Núnez Feijóo, o ex-ministro do Fomento, José Blanco López, e a ex-ministra do Fomento, Ana Pastor Julián, o diretor do AECT Rio Minho, elogiou “o trabalho de grande desenvolvimento e virado para o futuro” que a Galiza tem realizado, com “uma forte aposta nas grandes vias de comunicação”.
“É por isso que estradas, portos e ferrovias foram prioridades desta grande região. Estar a celebrar a viagem entre Ourense e Madrid, com conforto e segurança, em pouco mais de duas horas é celebrar o presente e garantir o futuro comum”, afirmou Rui Teixeira.
O autarca socialista, que participou no painel “Um caminho por completar: as etapas pendentes”, destacou os dois últimos anos de “liderança, trabalho persistente e entusiasta” de Pedro Nuno Santos no Ministério das Infraestruturas portugués.

“A modernização da ferrovia e a necessidade de investir em linhas de alta velocidade foi recolocada nas prioridades do discurso político. Há um plano concreto de investimento, que está aprovado e que consiste na ligação ferroviária de alta velocidade entre o Norte de Portugal e a Galiza, planeada no Programa Nacional de Investimento 2030, com a construção da primeira fase da linha de alta velocidade entre o Porto e Vigo (…) passando-se de uma viagem de 02:20 atuais para cerca de uma hora”, sublinhou Rui Teixeira.